Início Destaque As pessoas levam o telefone para a cama em vez de namorar

As pessoas levam o telefone para a cama em vez de namorar

Como olha para este objeto que passou a ser quase uma extensão de nós?

Acaba por ser como um órgão que nos falta para estar em contacto com o que não está perto. Podemos falar, ter notícias, receber um conjunto de estímulos e imagens que acabam por preencher uma dimensão virtual, mas que é também psíquica, que dantes ocupávamos mais em termos de imaginário. Deslocamos para o telemóvel essa dimensão e ele acaba por ter essa função alienante, coloca-nos fora do aqui e do agora. Está ao alcance da mão aceder a uma dimensão alternativa que substitui o presente, que de alguma forma é sempre lacunar.

Vê mais perigo ou mais vantagens?

A questão passa por saber até que ponto esse grau de alienação é manejado de forma mais ou menos adequada por cada um de nós. Há sempre um risco de dependência, de viciação.

Qual é a fronteira entre o normal e o patológico? 

É quando deixamos de investir no laço emocional com quem está junto de nós, com a família, com os amigos, com as pessoas com quem trabalhamos diretamente. Diria que quando esse laço se desfaz e passamos só a estar ligados no virtual, aí é um sinal de alarme.

E não conseguir esperar que a refeição acabe para ver uma notificação? 

É problemático, claro. A intrusão deste objeto mágico e o fascínio que ele pode exercer sobre as pessoas – e sobretudo sobre as crianças, e quando as pessoas não têm limites impostos pela relação dos outros – podem ser difíceis de controlar. Agora houve um caso que parece quase caricatural, de o Casillas ter sido excluído de ser titular da baliza do Porto pelo uso indevido do telemóvel. É evidente que um jogador de futebol, quando está a jogar, não pode usar o telemóvel. Mas durante a maior parte da vida, as pessoas ou têm o telemóvel no bolso ou têm-no à mão e podem usá-lo sem que esse limite seja colocado. O limite vem muito dos outros, desta ideia de que, socialmente, não é muito agradável estarmos a falar com alguém a olhar para o telemóvel. Se a pessoa deixa de ver esse limite, é problemático.

Parece que começa a ser o novo normal.

Sim. Vemos pessoas que vão com o telemóvel para a cama em vez de estarem a namorar com o companheiro ou companheira. É uma alienação. E depois há reações disfóricas, bruscas, em que alguém deita o telefone da outra pessoa fora. Parece uma coisa louca, mas há uma lógica. 

Que situações lhe chegam ao consultório? 

Geram discussões, sobretudo entre pais e filhos. Temos os casos das pessoas que, quando estão descompensadas, se refugiam no telemóvel, e casos de pessoas que têm reações agressivas contra o telemóvel dos outros: veem o objeto como algo intrusivo que retira a atenção 
numa relação. 

E sentimentos de culpa, a pessoa querer agarrar o telemóvel mas tentar resistir para estar presente?

Também acontece, naturalmente que emergem uma série de sentimentos.

A maioria das crianças em Portugal tem telemóvel a partir dos dez anos. É cedo?

É muito cedo. Eu, pessoalmente, acho que não se deve dar antes dos 14 anos. Admito que possa ser usado mais cedo, sob controlo parental, quando é preciso, por exemplo se se vai estar fora, aí aos 12 anos. Agora, antes dos 12 anos. penso que não é recomendável que uma criança esteja sempre agarrada ao telemóvel. 

O Tá Quieto tem: Videos engraçados, Videos de Rir, Imagens cómicas, Pensamento do dia, Crime, Apanhados, Videos Desporto, Coisas estúpidas, Imagens inacreditáveis, videos para rir, anedotas para rir, videos engraçados youtube, animais engraçados, Mundial 2014, Portugal no seu melhor, Casa dos segredos, SS5, passatempos, ofertas, prémios, tralhas gratis

Gostas? Então partilha 🙂Share on Facebook
Facebook
0Tweet about this on Twitter
Twitter
Pin on Pinterest
Pinterest
0Share on Tumblr
Tumblr
0

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.